“Um café com…” Francisco Cano Rueda - Diretor Supply Chain, Parfois

Entrevista Parfois

Empack e Logistics & Automation Porto: Conte-nos, qual é a estratégia da última milha na Parfois? Como é o seu dia-a-dia na empresa?

Francisco Cano Rueda – A estratégia consiste em duas vertentes, a primeira: os pontos de venda, a segunda: os nossos clientes; ambas as vertentes baseiam-se no princípio da promoção omni-canal e assentam em dois pilares principais: as pessoas (equipas) e a tecnologia. A filosofia subjacente à última milha é a optimização, sinergia e disponibilidade da rede actual com as nossas lojas no centro como uma “Estafeta”, com um serviço orientado para o cliente, alargando esta rede com pontos de conveniência, cacifos, opções flexíveis de entrega ao domicílio e simplicidade no processo de devolução. A tecnologia dá-nos a oportunidade de colocar o foco no cliente, a sua experiência de 360°, e ajuda-nos a alcançar eficiências através de sinergias de massa crítica de volume. As equipas concentram-se no nível de serviço, controlo e execução da estratégia. O meu dia-a-dia está muito concentrado no negócio e nas suas necessidades, nas equipas, no nível de serviço, na eficiência e no desenvolvimento tecnológico de ferramentas que nos permitem escalabilidade, visibilidade e controlo das operações.

E.L.Porto: Como evoluiu a logística da última milha dentro da empresa? Qual é a estratégia da Parfois?

FCR – A logística da última milha está em constante evolução, quer seja impulsionada pelo volume de operações, necessidades dos clientes, necessidades comerciais, ou saltos qualitativos na tecnologia. No nosso caso particular, evoluímos de um modelo de abastecimento de lojas com mensageiros para um modelo de distribuição centrado nas lojas e na eficiência, com injecções directas aos centros e operadores de entregas especializados dedicados cobrindo a última milha. Em termos de clientes de última milha, a evolução tem sido baseada na dispersão de clientes, sinergia com a rede de lojas disponíveis e novos operadores de transporte de nicho centrados na conveniência, digitalização, visibilidade e/ou flexibilidade nas entregas. A nossa estratégia: fazer evoluir as nossas lojas Estafeta para uma parte activa da experiência omni-canal, aproveitando a sua excelente localização, o seu nível potencial de serviço, a sua reactividade imediata, e optimizando o sortido de produtos à procura e níveis de stock.

E.L.Porto: Em termos de sustentabilidade, onde está o foco da Parfois neste momento? Que medidas está a implementar para incorporar esta nova e necessária tendência dentro da empresa?

FCR – A empresa está transversalmente focalizada neste ponto, está consciente do alcance deste projecto, que envolve uma estratégia a longo prazo e uma filosofia de melhoria contínua que, por sua vez, envolve pequenas acções diárias que alteram o nosso dia-a-dia. Quanto às medidas específicas adoptadas na cadeia de abastecimento, existem três pilares: um; materiais reciclados e reutilização de embalagens (neste ponto estamos actualmente em níveis acima dos 60%, o resto é 100% reciclado), dois; eficiência energética na rede (redução e tipos de energia consumida), três; auditorias de controlo e medição para analisar pontos de melhoria e evolução.

E.L.Porto: Imagine se tivesse de implementar melhorias imediatas numa empresa em termos de gestão da cadeia de abastecimento e da última milha, quais seriam elas?

FCR –Quando lido com um novo projecto numa empresa, considero essencial dedicar tempo a uma primeira fase de diagnóstico, para compreender o contexto actual, histórico e futuro de certas situações que derivam em negócios, parceiros, projectos em curso, fornecedores, modelos, equipas, etc. A partir daí, seria elaborado um roteiro com uma estratégia clara, prazos, equipas, tecnologia, projectos e recursos. O que posso partilhar convosco é no que me concentraria em termos de cadeia de abastecimento e última milha: uma; equipas de gestão capazes de acompanhar a estratégia, duas; uma plataforma tecnológica que integra sistematicamente a rede de intervenientes no processo de abastecimento do produto (ou seja, equipas de gestão de compras, concepção, qualidade e fabrico, fornecedores de fabrico, operadores de frete, transitários, expedidores, equipas de distribuição, etc.) com uma poderosa monitorização da equipa de torre de controlo. Três; uma estrutura de centro de distribuição flexível, eficiente e escalável com sistemas de gestão robustos. Quatro; uma estrutura de fornecedores e parceiros físicos de distribuição com compromissos a longo prazo, capacidade, especialistas de nicho e necessidades do projecto de acompanhamento.

E.L.Porto: Importar e exportar é como comer no mundo globalizado em que vivemos, como se adapta a estratégia logística em cada país? Poderia dizer-nos algo interessante sobre a abordagem da Parfois a este assunto?

FCR – A abordagem é muito simples e pragmática, existe um objectivo claro de compreender com os agentes locais, que francamente são os que têm o conhecimento e a experiência, como funcionam as operações da cadeia naquele país específico e porquê. Viajamos para o país, visitamos instalações de agentes, portos, aeroportos, centros de distribuição, instituições e alfândegas (se houver controlos) que tenham sido previamente identificados e passamos pelo circuito pelo qual os nossos produtos potencialmente passariam. Estou bem ciente de que significa um investimento de tempo, esforço e recursos, mas certamente na minha experiência funciona com um elevado grau de sucesso. É honestamente difícil compreender certas situações, operações, abordagens e comportamentos sem saber a um nível elevado o que é normal e o que não é normal em certos países a nível da cadeia de abastecimento. 

E.L.Porto: Há alguma coisa que tenhamos deixado de fora que considere interessante no campo profissional do sector da logística? Por exemplo, que tendências vê no sector, o que pensa sobre um tema actual, um projecto em que está a trabalhar, ou um tema para o qual gostaria de contribuir com a sua parte.

FCR – Em termos de tendências sectoriais, estamos aqui muito concentrados na evolução da tecnologia omni-canal: as aplicações que estão a surgir para acompanhar todos os processos de pós-venda e distribuição centralizada de produtos com um único inventário. A digitalização de ecossistemas logísticos integrando sistemas de gestão de armazéns, stocks, transacções operacionais, operadores de última milha e total rastreabilidade para alcançar um serviço ao cliente de alta qualidade. Ao mesmo tempo, estamos atentos a todos os avanços da automatização intralogística que podem contribuir para melhorar a ergonomia e a qualidade do trabalho diário realizado pelas equipas e, por sua vez, permitir-nos ganhar flexibilidade operacional e reactividade nas vendas. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.